domingo, 30 de maio de 2010

Por que escrever?


Questionado sobre o qual o motivo de tentar expressar através de palavras escritas, as diversas opiniões a respeito dos mais variados assuntos, não soube formular de modo direto ou concreto o que me levava a escrever.

Talvez o faça pela necessidade de “liberdade”, ou quem sabe, para fugir dos mais diversos e inquietantes pensamentos que insistem em me perseguir. Isso acontece num fluxo tão intenso que ainda não sei objetivamente explicar.

Como bem disse outrora Clarice Lispector: “Não se faz uma frase. A frase nasce”. Também assim acontece comigo. Não escrevo textos, eles nascem! Pode parecer estranho, mas é isso o que acontece quando materializo em palavras os mais diversos pensamentos e ideias.

Escrever me é um processo constante, ao mesmo tempo angustiante e acalentador. Quando escrevo, permito-me pensar e repensar minhas experiências – pessoais profissionais e sociais –, e ainda tenho a liberdade questionar, interrogar, reivindicar e até mesmo criticar a realidade que me cerca como também a mim mesmo.

Não que isso me seja impossível em outros meios ou contextos. Claro que também faço isso em outras áreas além da escrita. Porém, quando escrevo, tento chegar o mais próximo possível daquilo que penso sobre determinado fato, pessoa ou assunto, e desse modo, posso expressar meus pensamentos mais objetivamente naquele momento sem ser traído por minhas próprias palavras.

Kico Seridó