segunda-feira, 3 de maio de 2010

Escritos Meus


Escrever para mim é mais que o ato de redigi ou descrever determinado fato ou situação em particular. Escrevo pela necessidade de liberdade. Muitas vezes o faço até pra fugir de mim mesmo, outras para me encontrar. Muito do que escrevo só me é válido no ato de tal exercício, mostrando quem sou ou o que sinto em determinado instante.

Na maioria das vezes, meus escritos condizem com simples experiências cotidianas, ou até mesmo com algum sentimento momentâneo. Talvez isso não represente nada na vida de quem “me lê”. Seria muita pretensão minha desejar o contrário.

Escrevo sem segundas intenções. Aos olhos de muitos, o que expresso poder ter algum fundamento, ou por ventura, não tenha o menor sentido. No entanto, digo a mim mesmo que, no futuro, o que escrevo hoje me mostrará a pessoa que fui um dia.

Pode ser que eu perca o hábito de escrever, de me “descrever”, de expressar o que sinto ou o que penso. No mais, hoje escrevo não por prazer, não por amor; escrevo para não ter a sensação de auto-reclusão, e, sobretudo, faço-o para me proteger, podendo assim me libertar do peso dos meus pensamentos.

Kico Seridó