terça-feira, 4 de maio de 2010

O “BBB” e o Povo Brasileiro



É muito difícil impor igualdade social a um país como o nosso, pois temos de um lado uma classe política que aliada aos grandes detentores do capital financeiro, fazem uso da grande mídia, da imprensa nacional e dos mais variados segmentos com poder de formar e influenciar a opinião pública, mascarando assim, nossa realidade social em função de seus próprios interesses.

Contrariando as reais necessidades da população, eles fazem uso dos seus aparatos para manterem sua privilegiada posição socioeconômico. Para que esses “mandatários do sistema” obtenham êxito no processo de mascaramento da realidade, entra-se em cena a grande mídia brasileira, com os seus programas e seus formadores de opiniões, defendendo os interesses do grande capital.

Não se dando conta do “jogo” mercadológico em que está inserido, o povo absorve e aceita tudo que lhes é imposto por essa grande mídia. Com isso, “os donos do poder" delimitam o que será discutido na imprensa nacional, selecionando intencionalmente os mais variados fenômenos ou acontecimentos. O pior é que tudo isso nos é apresentado seguindo apenas os interesses do mercado.

Diante do que foi dito acima, gostaria de citar um fato que muito me chama atenção: os “reality shows”, programas de grande audiência no país. Enquanto a grande mídia nos diz o que fazer ou o que pensar, uma pequena minoria de privilegiados veem suas contas bancárias cada vez mais rentáveis, enquanto o povo fica a margem, anestesiado e sedento de curiosidade para saber que ganhará o grande prêmio dos referidos programas.

Muitos são os elementos usados por aqueles que estão no poder com o intuito de enganar essa imensa massa populacional e fazer desta um contingente passivo e acrítico de sua condição social. Cita-se aqui o exemplo do “BBB” (Big Brother Brasil) apenas como ilustração, pois ao invés de se questionar e reivindicar por direitos e deveres, parte da população usa o seu tempo livre em frente à televisão vendo programas que em nada contribuem de importante em suas vidas.

O que se fazer diante de tal situação? Dir-se-ia que quase nada pode ser feito por essa gama de “miseráveis”, vitimas desse sistema, pois eles não possuem os elementos que lhes possibilitem fazer uma análise crítica de sua própria condição social e quando podem, não detêm os meios para reverter tal situação. Muitos deles dirão (inocentemente) que estão na condição em que se encontram por que seu “Deus quer assim”. Pobre desse Deus, sendo quase sempre responsabilizado pelas injustiças das ações humanas.

O que acaba de ser dito acima pode parecer um julgamento simplista e muitos com certeza dirão que o é, porém uma coisa é certa, enquanto continuarmos inertes frente à realidade que nos é apresentada, enquanto não criarmos uma consciência crítica do que vivenciamos e consumimos, os chefões da política, os donos do capital financeiro e as grandes mídias continuarão mandando e manipulando toda essa massa de “miseráveis” vitimas desse sistema.

O pior é que programas do tipo supracitado nunca mostram a parte podre do cenário político, social e econômico nacional, sequer questionam o real contexto social vivido no país. No mais, a quem achar baboseira que foi dito neste texto, fica o conselho: esqueça tudo o que aqui foi exposto vá assistir seu reality show de cada dia e seja “feliz”.
Kico Seridó